© 2023 POR UP Experience. 

colaborcw@gmail.com |  R. Juiz de Fora, 1454, Sto Agostinho | Belo Horizonte, MG

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
Please reload

Posts Recentes

Sala para psicólogos: “Co-Labor oferece espaço aconchegante”, afirma residente

November 28, 2019

1/6
Please reload

Posts Em Destaque

Pesquisa revela o perfil da mulher empreendedora no Brasil

March 8, 2018

A quinta edição do Fórum Empreendedoras revelou dados da inédita pesquisa sobre o Perfil da Empreendedora brasileira, realizada com mais de 1300 mulheres em todo território nacional e patrocinada pelas empresas Avon, Itaú e Facebook, com organização da Rede Mulher Empreendedora. Foram trabalhados temas nunca abordados em pesquisas já realizadas no País.

A pesquisa, além de desvendar o perfil dessa mulher que empreende no Brasil, traz um panorama real do que elas enfrentam quando decidem empreender, seus conflitos diários, a maternidade versus a carreira, o momento financeiro e principalmente as dificuldades que a empreendedora brasileira enfrenta quando decide ter seu próprio negócio.

 

 

 

 A amostra da pesquisa quantitativa é de 1376 mulheres, sendo que 85% já empreendem e 15% pensam em empreender, e abrange uma boa representatividade:  São Paulo Capital e região metropolitana (19,65%); MG, ES e interior de São Paulo (22,33%); Região Sul (20,23%); Estado do RJ (12,21%), Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste (22,33%).

 

 

 

Perfil: 79% tem superior completo ou mais. A idade delas, em média, é de 39,1 anos. A maioria é casada, com filhos e apresentam um grau de escolaridade um pouco maior do que as que planejam empreender e que tem média 36,5 anos,sendo que 30% pertence a Classe C, enquanto 35% das mais velhas pertencem a classe A.

 

MaternidadeUm dado já sentido pelo mercado, mas que ainda não era comprovado: 75% das empreendedoras decidem empreender após a maternidade. Na classe C, a porcentagem aumenta para 83%.

 

O que mais compromete a renda: O maior gasto entre 37% das pesquisadas é com moradia, seguido de alimentação (24%) e de dívidas (15%). Mas isso muda quando analisada a classe social: na classe A, o maior gasto é com Educação, chegando ao comprometimento de 14%.

 

Continuar lendo...

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga